Arquivo da tag: profissão

Profissão Modelista

FOTO1

O modelista  é o profissional que traduz para o papel os conceitos e criações do estilista. É um personagem fundamental na produção de roupas, e a relação entre eles deve ser bastante entrosada, para que ambos consigam tornar as idéias realidade.

imagem 03

Uma das qualidades essenciais de um modelista é calma e talento para lidar com geometria e cálculos, já que ele irá atuar quase sempre com réguas e escalas, e saber discernir os mais distintos tecidos e caimentos, conhecimento essencial para um bom resultado final. Neste setor, o grande diferencial é saber perseguir a perfeição de forma positiva, pois tais profissionais trabalham com medidas e proporções exatas. Assim como o estilista, o modelista também deve ser inventivo, pois muitas vezes cabe a ele buscar soluções e ajustes para as ideias ainda imperfeitas do estilista.

imagem 04

Ao ver um esboço do criador nas mãos, o modelista visualiza a veste fracionada em diversos elementos – mangas, gola, bolsos, entre outros. Ele reproduz cada um deles no papel e depois corta estas figuras, que orientarão, a partir daí, os responsáveis pelo corte e costura.

imagem 05

O segmento da moda carece, porém, de mão de obra especializada em modelagem. No dia 02 de Setembro de 2011, o site da Jornalista Gloria Kalil publicou uma matéria sobre a carência de profissionais da área de Modelagem e sobre o excesso de Estilistas no mercado. A matéria é alerta da carência, mais uma vez, para a falta de bons profissionais em modelagem de roupas. Atualmente, é um dos profissionais mais requisitados do mercado, e pode tanto ser contratado diretamente de uma empresa, quanto trabalhar como prestador de serviços para diversas empresas / estilistas, com remuneração por trabalho.

Para a elaboração do molde, podem ser utilizadas duas técnicas: a modelagem bidimensional, plana ou malharia, e a modelagem tridimensional, conhecida como moulage.

Na modelagem plana, parte-se do traçado de retas, curvas e pontos de referência, que darão origem a diagramas, com base em medidas predeterminadas (normalmente, de acordo com a grade de tamanhos de cada empresa). O modelista redesenha estes diagramas conforme sua interpretação do modelo, alterando formas e medidas, e resultando em formas que recobrem a estrutura física do corpo.

imagem 06

A modelagem tridimensional, processo conhecido também por moulage, é uma técnica na qual o tecido é manipulado diretamente sobre um manequim de costura, criando-se o modelo. A técnica confere agilidade e bons resultados no que se refere a caimento.

imagem 07

O mundo da moda é exigente: as medidas e proporções têm que ser perfeitas, e preferencialmente seguir vestindo sempre determinado corpo e tamanho igualmente. É preciso ser criativo para entender o que espera o idealizador da peça, mas é necessário atenção para alertá-lo quando uma ideia parecer ser irreal demais, seja por modelagem que não funcionaria ou por uma que tornaria o custo muito acima do pretendido pela empresa.

FOTO 02

*

Por Keyla Ferreira, professora do Núcleo de Modelagem da Sigbol Fashion.

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14 e 15

Customizar, customizando, customizado!

Montagem 1

Você certamente já ouviu falar em customização, caro leitor (Não sabe ainda o que é? Ah, vá! Então corra aqui pra descobrir). Customizar, em nosso ramo, significa transformar uma peça antiga (ou nova e comum) em outra, diferente, para adaptá-la à sua necessidade, ou no caso, ao seu estilo. Surgiu da expressão inglesa “custom made”, que designa algo feito sob medida, ou seja, exclusivo. Mas você sabe onde e quando o costume da customização espalhou-se pelo mundo?Montagem 2

De acordo com estudos, o costume de adaptar e decorar roupas, acessórios e demais objetos nasceu ao final da década de 60, com o surgimento, crescimento e consolidação do movimento hippie através do mundo. Ao pregarem a igualdade entre os sexos, todos utilizavam roupas usadas, geralmente garimpadas junto aos pais e avós ou em lojas de artigos usados (berços dos nossos brechós), que ao serem reformadas, ganhavam outro aspecto. Daí o uso das roupas com aparência artesanal, tingidas em técnicas de tie dye ou dip dye e trabalhadas com aplicações de retalhos ou bordados.

 

No Brasil, a customização surgiu por volta da década de 90, da necessidade de impor atitude e personalidade ao modo de vestir. Hoje, é uma ótima alternativa à questão da sustentabilidade, pois reutiliza peças já prontas para criar novas, sem desperdício de material, além de ser uma solução econômica para peças desgastadas ou que sofreram algum “acidente”, como manchas, rasgados, etc.Montagem 3

Além dos fatores acima, a customização agrega valor à peça: a partir de uma peça básica, sem grandes atrativos, cria-se um look exclusivo e cheio de bossa, com informação de moda para dar e vender! E você, gostou da ideia?

 

*

Po Haranin Julia Maria, professora de desenho de moda no núcleo de criação da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10 e 11

 

 

A alfaiataria e o alfaiate: uma arte, um artesão!

FOTO 01

A profissão de alfaiate vem de longe. Definida como uma das mais antigas do mundo, o termo tailor (em inglês) existe desde 1297. A ocupação nasceu depois do Renascimento, época que surgiu uma preocupação maior em mostrar as formas do corpo. A partir daí, nem todo mundo conseguia confeccionar sua própria peça de roupa: um estudo do corpo humano era necessário e mais de uma pessoa poderia ser envolvida no processo. Foi aí que o papel do alfaiate cresceu nas sociedades – anteriormente, sua importância era a mesma de um tecelão.

figura 4

Alguns anos se passaram e, a partir da Revolução Industrial, o foco da alfaiataria se voltou para Londres que, como uma forma de rebeldia, trocou as perucas brancas pelo cabelo cortado e os brocados e veludos por tons sóbrios de lã. Nessa época surgiram os dândis, com a alfaiataria – terno completo e gravata – como a conhecemos hoje. Este foi o ponto de partida para que Londres se tornasse referência mundial.

A alfaiataria é a arte de criar roupas masculinas, tais como ternos, calças, coletes, camisas, paletós e muitas outras, de caimento perfeito e tecidos específicos, que compõem os visuais sociais e de black tie masculinos. As peças são criadas de forma personalizada, sob medida, de forma exclusiva e artesanal.

figura 5

No Brasil, os primeiros alfaiates chegaram junto à corte portuguesa, e foram passando seus conhecimentos por gerações. Hoje, a alfaiataria tradicional voltou a ter a exclusividade que tinha quando começou. Poucos homens investem em peças feitas sob medida, e quem o faz dificilmente volta a comprar um terno pré-fabricado. A profissão, infelizmente, ainda é realizada por poucos profissionais, mesmo em âmbito mundial.

O alfaiate deve ser um profissional apaixonado por moda e vestuário, capaz de transformar tecidos em peças com qualificação industrial, porém artístico-artesanal e sob medida. Para o exercício da profissão, é recomendável qualificar-se através de cursos, aprender a forma correta do uso das máquinas de costura profissionais e fazer excelentes acabamentos, já que, nesse tipo de look, quaisquer erros, pequenos que sejam, saltam aos olhos ao perderem o caimento correto.

FOTO 02

As áreas de atuação de um alfaiate são diversas: existem, ainda hoje, os alfaiates autônomos, que trabalham em seu próprio ateliê; para além, nas indústrias de confecção, normalmente são responsáveis pela primeira modelagem das peças que entrarão na linha de produção em série; já no comércio, é comum haver um ou mais profissionais, parte da equipe, que é responsável pelos ajustes das peças pré-construídas, vendidas nas lojas.

Um bom alfaiate normalmente desenvolve uma clientela cativa, e são considerados “consultores de moda”, sugerindo e orientando seus clientes no uso adequado de tecidos, cortes, caimentos, etc, conforme tendência de moda e características pessoais, como silhuetas e tons de pele.

figura 7

*

Por Keyla Ferreira, professora do Núcleo de Modelagem da Sigbol Fashion.

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12 e 13

Por que fazer um curso profissionalizante?

Muitas pessoas tem vontade de fazer um curso superior, mas entre a dúvida de saber qual curso realizar, o fator tempo – pois são longos – e se o curso irá suprir suas expectativas, elas optam por cursos específicos ou técnicos que além de funcionarem como cursos preparatórios podem melhor direcionar os interesses de uma profissão e inseri-las no mercado mais rapidamente.

Vantagens:

  • Moda Íntima & Praia: Profissionalmente você estará apto para trabalhar na indústria de confecção de lingerie ou praia masculina, feminina e infantil nas etapas de modelagem, risco e encaixe como assistente de modelista, encarregado de produção, no controle de qualidade, num ateliê de costura junto ao setor de criação ou ainda ter sua própria confecção de lingerie ou moda praia.
  • Modelagem Industrial: O profissional pode atuar na indústria de confecção nas etapas de modelagem, risco e encaixe ou como encarregado de produção e no controle de qualidade. Em ateliês de costura ou alfaiataria, junto ao setor de criação, fazendo as modelagens ou ter sua própria confecção.
  • Moulage Básica: Nele você aprende a modelar no manequim peças básicas como vestidos, saias, blusas, blazers e calças e estará habilitado a desenvolver peças sob medida.
  • Operador de CAD: Profissionalmente, você poderá atuar na indústria de confecção como modelista operador de CAD, ampliador ou auxiliar de corte como riscador.
  • Piloteira: Você aprende o encaixe, o corte e a costura das peças e manuseia máquinas de costura doméstica, industrial reta, overloque e galoneira.
  • Desenho de Moda Básico: O curso habilita para o trabalho em indústria de confecção feminina, masculina e infantil como assistente de estilo, assistente de figurinista, ilustrador e desenhista de lojas.
  • Desenho de Moda no Corel Draw: O curso te habilita para trabalhar em indústria de confecção como assistente de estilo, assistente de desenvolvimento de produto, freelancer de desenho técnico e desenvolvedor de catálogos, embalagens, folders, materiais para vitrine e editoriais de moda.
  • Estilo – Designer de Moda: Esse curso te habilita para trabalhar em indústria de confecção, indústria de pret-à-porter, ateliê de alta costura, em desenvolvimento de produto, como freelancer, assistente de editor de moda, consultor de estilo, gerente de produto, coordenador de moda, comprador de magazines ou pesquisa de moda.
  • Personal Stylist: Você aprenderá como vestir uma pessoa adequadamente dentro do que a beneficia – biotipo, cores, estilo pessoal, estilo de vida, enfim, como pegar o melhor da moda e traduzir para o estilo individual.
  • Produção e Styling: Você terá amplo conhecimento de como é desenvolvido esse trabalho, da pauta ao trabalho finalizado, alimentando o seu olhar de moda através de aulas dinâmicas e trabalhos teóricos e práticos e estará preparado para construir imagens de moda, produzir catálogos, editoriais, lookbooks, outdoors, desfiles entre outros meios de comunicação, podendo atuar em empresas de desenvolvimento de produtos, confecções, revistas, lojas, estúdios, sites, jornais, revistas, etc.
  • Visual Merchandising e Vitrine: Com aulas teóricas e de campo, você conhecerá todas as ferramentas para aproximar o cliente do ponto de venda, facilitar a sua locomoção e proporcionar a ele uma experiência agradável e positiva atingindo o principal objetivo: alavancar as vendas.
  • Básico de Moda: É voltado para você que gosta de moda, mas está em dúvida em qual área atuar ou que antes de fazer uma faculdade, quer ganhar bagagem nas áreas de criação, confecção, marketing e negócios da moda.
  • Corte & Costura Básica: Você estará apto a costurar, sob medida, peças básicas através do método Sigbol em casa ou num ateliê de costura.
  • Malharia & Moletom: Fazendo esse curso, você estará apto para trabalhar na indústria de confecção nas etapas de modelagem, risco ou encaixe como freelancer, assistente ou assessor em modelagens, encarregado de produção, no controle de qualidade, modelista em ateliês de costura junto com o setor de criação ou ter sua própria confecção.
  • Costura e Acabamento: Aqui você aprenderá a fazer partes das peças como um cós, zíper, bolsos, golas, forrar peças, entre outros, manuseando máquinas de costura reta industrial, overloque e galoneira.

Tudo isso e muito mais, você encontra aqui na Sigbol. Corra e garanta seu futuro profissional.

Nesse quadro, veja quantas notícias já saíram sobre o assunto:

imagem para semana de Superzoom

 

*

Por Nayara , professora do núcleo de modelagem da Sigbol Fashion